Mercado Financeiro 2018: Acertei Minhas Previsões? RETROSPECTIVA!

Essa era minha perspectiva em 2017 para o ano de 2018 analisadas em (quase) 2019. E aí, acertei?

Comecei em 2018 traçando:

“Para aqueles que incluíram em suas metas uma maior atenção aos investimentos, 2018 oferece inúmeras oportunidades , mas também, riscos relevantes. O ano de 2017 foi um ano de recuperação para a economia brasileira que amargava anos de recessão.”

Vamos aos números:

  • “Estima-se que o PIB oficial terá crescimento de 1% em relação a 2017” – Até agora, o BC estima um crescimento de 1,4% em 2018. Expectativa superada! 
  • “A inflação que corroía o poder de compra do consumidor desacelerou e fechou 2017 abaixo dos 3%.” Já a inflação não aguentou manter os 3% de queda (claro, o cenário era pior em 2016). A estimativa para 2018 é de 4,13% 
  • “No varejo, as vendas de Natal tiveram seu melhor ano desde 2011, revertendo 3 quedas consecutivas e crescendo 5,6% em relação a 2016, de acordo com dados do Serasa Experian.” O natal ainda não chegou, mas o varejo só cresce! A recuperação do setor é a primeira a se notar. 
  • “O índice Ibovespa renovou máximas históricas, fechando o ano com valorização de 26,8%.” Aqui, o fenômeno se repete. Até a data da publicação deste, o Ibovespa renovou novamente sua máxima histórica em 2018, tocando os 90 mil pontos! 
  • “Por fim, o COPOM reduziu a taxa SELIC para 7%, menor patamar da série histórica.” Xeque. O COPOM reduziu mais ainda a SELIC, que até novembro de 2018, está em 6,5%.

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? Taxa Selic

Diante desse cenário, uma SELIC enxuta, é comum que as pessoas busquem o mercado financeiro no intuito de rentabilizar suas aplicações. O conforto de outrora com rentabilidade de 1% em renda fixa ficou para trás.

Outro ponto importante de ser frisado: No início de 2018, eu realmente pensei que nossa SELIC baixaria um pouco mais, algo próximo a 5,5% ao ano. Não aconteceu.

No meio de 2018, o COPOM anunciou o fim do ciclo de queda da selic.

Atente-se! Isso não é um fato ruim.

A SELIC no patamar que se encontra (6,5% a.a.)  está bem ajustada com o plano de desenvolvimento que o Brasil projeta.

No texto original, eu também alertei para riscos que 2018 reservaria:

“Apesar de todo o otimismo, 2018 reservará riscos âmbito doméstico quanto internacionais.

Contrariando o que dizem do nosso país… o ano só começa depois do Carnaval, a bolsa de valores começou o ano animada, rompendo os 79.000 pontos.

 Por outro lado, o dólar vem se desvalorizando frente o real, se aproximando dos R$3,20.”

  • Saudades dólar R$ 3,20!

Nem o melhor dos analistas, em seu pior pesadelo, imaginou que o dólar bateria R$ 4,20 pareado ao real em 2018.

Essa situação foi controlada, apesar do iminente risco. É consenso geral que o dólar fique abaixo dos 4 reais para o início de 2019.

Hoje, acho engraçado essa parte que escrevi lá em janeiro:

“Teremos um 1º trimestre crucial para desenrolar de 2018. Já no dia 24 de Janeiro de 2018, o ex-presidente Lula será julgado pelo TRF-4 e, caso condenado, pode não participar das eleições presidenciais. Sendo o atual líder das pesquisas eleitorais, qualquer que seja o resultado do julgamento trará uma volatilidade intensa para o mercado.”

  • Essa parte, não preciso nem resumir né? Melhor que o esperado!

Já essa analise me entristece. Realmente eu não sonhava que até hoje a reforma da previdência estaria em aberto, tirando o sono dos economistas.

“Algumas semanas após o julgamento de Lula, será colocada em pauta a Reforma da Previdência (19/02/2018). Trata-se de um tema da maior relevância para a economia brasileira, dado que uma eventual não aprovação agravará a situação fiscal brasileira que já se encontra bem fragilizada.”

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? Dollar

Precisamos da reforma URGENTE! Prioridade para o governo Bolsonaro.

Lá trás, o Bank of America enviou um relatório avaliando as 10 maiores economias emergentes, coloca o Brasil entre os três mais frágeis para 2018, ao lado de Turquia e África do Sul.

Segundo o relatório, o Brasil tem o pior déficit nominal e a maior relação entre dívida e PIB.

Uma possível não aprovação da Reforma da Previdência pode fazer com que as agências de risco rebaixem o rating do Brasil.

Compreende a urgência da reforma?

MERCADO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. 

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - Mercado Financeiro Estados Unidos

Lá no início do ano, eu escrevi o seguinte:

“A economia americana deu sinais de recuperação em 2017.

Dados de produção industrial, criação de postos de trabalho, redução do desemprego e saldo do PIB, mostraram que a maior economia do mundo tem retomado tração.

O ano terminou com a aprovação da Reforma Tributária de Donald Trump, que foi muito bem recebida pelo mercado. Tanto o S&P 500 quanto o índice Dow Jones renovaram máximas históricas.

 O FED elevou em dezembro as taxas de juros (1,25% a 1,50%) e terá como novo Presidente, Jerome Powell, substituindo Janet Yellen.”

Sim, eu pensei que a economia americana ia melhorar… só não imaginava o quanto!!!

Donald Trump acertou (acerta) bastante! Tire suas conclusões:

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - Taxa desemprego EUA
Gráfico: Taxa desemprego dos EUA

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? Remuneração por hora

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - Economia Crescimento EUA

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - Frase Mark Zandi

E como isso tudo afeta o nosso Brasil?

A retomada da economia dos EUA pode ser benéfica para algumas empresas como a GERDAU (GGBR4), cujos negócios estão voltados para o mercado externo. No entanto, para os emergentes, de modo geral, pode ocasionar uma fuga de capitais em busca de maior segurança.

O investidor brasileiro deverá manter seus olhos abertos às possíveis elevações das taxas de juros nos EUA que poderão vir em maior ou menor intensidade a depender da velocidade da retomada da atividade econômica.

MERCADO FINANCEIRO NA CHINA.

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - Mercado Financeiro da China

Para o mercado xing lin, eu disse a época:

“- O gigante asiático iniciou 2018 mostrando dados fortes no setor de indústria e serviços. 

O Fundo Monetário Internacional prevê um crescimento de 6,5% para o PIB chinês em 2018.

A manutenção do crescimento na China (ou, ao menos uma estabilidade) seria extremamente importante para as empresas brasileiras, que destina 30% de suas exportações para o país asiático. “

A previsão – que não era das mais difíceis – foram acertadas.

A China mantém seu crescimento gradual. Muitos cravam: É questão de tempo para a China passar os EUA como a maior economia do Globo.

O PIB, realmente se manteve em crescimento de 6,5%, dentro da expectativa ( um número muito bom)

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - PIB na China

MERCADO FINANCEIRO NA EUROPA.

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - Mercado Financeiro Europa

Já no berço da civilação, o previsto era:

“O bloco europeu também começou 2018 com dados econômicos bem favoráveis tanto na atividade industrial quanto na retomada da inflação.

A Alemanha, principal economia do bloco, ainda apresenta incertezas no campo político. A Espanha segue com a possibilidade de separação da Catalunha no radar. Por fim, as definições a respeito do BREXIT devem ser decididas ainda no primeiro semestre.”

O principal chamariz aqui foi o BREXIT. Surpreendendo os analistas, o BREXIT foi bastante favorável para a Inglaterra. A economia europeia mantém seu ritmo e problemas tradicionais, sem muitas surpresas.

Para 2018, nenhum grande evento além do esperado… penso assim também para 2019.

COMMODITIES.

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - Commodities

As commodities são sempre grandes surpresas.

Quase impossível prever o rumo das commodities – ainda mais se você considerar moeda uma commodotie –

“As commodities vêm acompanhando essa aparente euforia mundial e tanto o minério de ferro quanto o petróleo vêm se valorizando desde a virada do ano.

Em função desse turbilhão de eventos que serão decididos, em sua maioria, até o fim do 1º trimestre, qualquer previsão que não os leve em consideração seria um mero chute.

As questões domésticas podem levar a economia brasileira para direções diametralmente opostas.”

O petróleo vem se mostrando a grande surpresa do ano.

Máximas históricas foram batidas, e agora, nestes últimos dias do mês de novembro, o avanço gradual do preço do barril cede.

O petróleo é sempre uma surpresa… mensurar e prever sua movimentação é um desafio invencível.

O que podemos cravar é: O petróleo e seus derivados são bens escassos. Fontes alternativas, cada dia são mais exploradas. Estamos perto de uma matriz energética alternativa!

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - Matriz Energética

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Não vou falar nada.

Tire suas próprias conclusões da minha análise para 2018.

Em breve, volto com o mesmo texto com minhas previsões para 2019.

“No mercado financeiro, há momentos para comprar, momentos para vender, e momentos para FAZER NADA. Com a bolsa nas máximas históricas, abrir posições de compra, pode ser bastante desconfortável.

Dada a solidez dos dados econômicos e da euforia global, vender um ativo sólido, como Petrobras ou Vale, seria inda mais arriscado. 

– Sendo assim, uma posição em renda fixa com liquidez diária pode ser o melhor refúgio até que o cenário fique menos nebuloso.

Para os mais experientes, a volatilidade trará inúmeras oportunidades no Day trade. Para os que estão começando, a sugestão é buscar ajuda especializada que mesas proprietárias e assessores de investimentos podem proporcionar.

Definir o capital disponível para investir, o prazo pelo qual poderá abrir mão desse capital e o nível de risco tolerado são primordiais para obter sucesso no mercado financeiro.”

Mercado Financeiro 2018 - Acertei Minhas Previsões? - Feliz 2018